Zona Punk


1- Como começou a Zona Punk? Conta sua historia aí meu amigo Wladimir e Cia!

Cara, eu estou nessa de rock n roll desde os 80, com cena alternativa desde os 90, mas o Zona Punk só nasceu em 1999. Antes disso eu fazia fanzines de papel, organizava shows, aquela coisa rústica e romântica da época. O Zona Punk nasceu na verdade nas mãos de dois outros comparsas, Saulo Loureiro e Pedro Cupertino, este último que vocês devem conhecer como baterista do Fresno. Logo no inicio do site entrei pra equipe e com o passar do tempo, ambos debandaram e eu assumi a bomba. Atualmente o Zona Punk é: eu, como mestre, editor, deus e soberano; falco (programação), Allan Paregonta (design), Cunha (eventos), Valéria (pau pra toda obra) e Ana Beatriz (comercial), além dos leitores e colaboradores.

02- A media de visitas no site é muito grande? E o que é muito comum perguntarem para a equipe de vocês?

Sim, seguramente somos o maior site de música alternativa da américa latina. Estamos atualmente com 6.000 visitas únicas por dia, o que é uma vitória tremenda para o rock independente em geral. E quanto as perguntas, cara, aparece de tudo. Antigamente apareciam mais absurdos, tipo ‘o supla é punk?”, “sou sxe e gosto de bad religion, pode isso?”, e besteiras do tipo, hoje em dia a maioria dos e-mails são sobre como colocar a banda no site etc nada grotesco tem surgido atualmente.

03- Que som rola na Zona Punk? Nacional e internacional?

Já nós temos gosto variado, talvez por estarmos sempre envolvidos com música há anos, somos seletivos, mas sempre abertos a novos sons e estilos. Diria que, sem distinção de rótulos, o que predomina em nós é rock, sem frescurite, seja o Faith No More e Garage Fuzz do paregonta, a Avril e o Dance Of Days do Falco, o Mukeka e o Calibre 12 da Valéria, o The Faint e o HORSE the band do Cunha ou meu amor pelo Weezer e Guns N’ Roses.

04- Vocês acompanham bastante toda as historias e acontecimentos de nossa cena. Conte-nos o que incomoda vocês e o que vocês gostam na cena brasileira ?

Cara, o que incomoda é ver tanta gente fake, montada, fazendo estilinho e visual. Isso me enoja. “Rollin’ with the punk rockers, I ain’t lying, Fake guns, fake bands, Fake punk, I ain’t buying”, ja diz Tim Armstrong. Odeio banda de fotolog, celebridadezinhas da cena, hypes, orkuteiros, indies de baladinha rock e toda essa merda. Não suporto ver tantas franjas iguais, munhequeiras iguais, piercings iguais, tanta rebeldia de shopping. Cada um faz o que quer, mas não sou obrigado a ser conivente com uma corja pútrida que acha que música, seja hardcore, emo ou punk, é ter gold cam ou rimar verbos no infinitivo. Acredito ainda em valores já esquecidos na “cena”, como amizade, diversão, o compartilhar em si. Quanto maior o ego, maior o tombo. O que ha de melhor na “cena” nacional na verdade são as bandas. Sou brasileiro e não desisto nunca..rs Me sinto orgulhoso em dizer que no meu país temos bandas como o Garage Fuzz, por exemplo. Em poucos países temos uma cena tão forte em questão de qualidade de som, produção, gravação etc. Desde os primórdios sempre estivemos na “crista da onda”, caso do Cólera por exemplo, reverenciado e amado em todo o mundo, mesmo com a barreira da língua. Devemos parar de tanta guerrinha de ego, status e trocados e fazer do Brasa um lugar foda para o rock, o que falta aqui, acima de tudo, é amor pela coisa.

05- A moda agora é o EMO. Sei que como nós, vocês também acabam tendo como maior publico os adeptos a esse gosto musical. Para vocês o que é o EMO e por quê bandas como Fugazi e Hey Mercedes não são reis dessa nova safra?

Olha felipe, nem sei viu. Eu aprendi que emo é um sub-estilo musical, algo que vem lá dos anos 80 com o Revolution Summer, ou seja, toda aquela leva de bandaS: Embrace, Rites Of Spring, Nation Of Ulysses. Mas sei lá, pra molecada hoje em dia emo, de duas uma, ou é hardcore melódico ruim com letra de corno, ou é pop-rock revoltado com urros no fundo. O emotional-hardcore (ou post-hardcore) caiu em banalidade, como foi com o grunge no começo dos anos 90. Do Melvins ao Stone Temple Pilots, tudo era rotulado de grunge. É igual hoje, é um rótulo pra jogar no mercado. De The Used a Mineral, passando por My Chemical Romance e Lifetime, tudo é emo, fica mais fácil de vender. Eu particularmente quando quero ouvir algo de emotional hardcore, recorro aos bons e velhos discos da Jade Tree, Dischord ou Doghouse, deixo essas bandas de metal choronas pra molecada mais nova. Sugiro que a molecada, principalmente as meninas, que se auto-proclamam emo por ai, descubram que emo não é estado de espirito, não é marca de roupa, nem status social, emo é música, é rock. “I know, it’s only rock n’ roll but i like it”.

06- A Zona Punk tem um ideal? Se tem, qual é rapá?

Todo qualquer tipo de “ismo” me soa chato. Capitalismo, anarquismo, nazismo, fascismo, marxismo, rockismo, emismo hehe Não sei qual o ideal nosso, não somos idealistas, não temos mais idade pra isso acho. Se temos um objetivo, ele ainda não é claro, talvez seja essa minha missão na terra, expandir o rock pra molecada heeh. O Zona Punk é a minha vida. É meu trabalho, minha diversão, onde fiz amigos, inimigos, onde ganho grana, onde tomo prejuizo e principalmente, onde faço o que amo. Me orgulho de todo dia de manhã não ter que colocar um terninho e ser “normal” pra sociedade. Acordo, ouço rock, fico de cueca e encho a cara fazendo o que amo. Isso é viver, é aproveitar cada minuto. Essa é a minha vida.

07- Como as noticias chegam a vocês, pois é só o cara quebrar o braço e antes mesmo esta no ar a noticia, como chega todas as informações?

De todo canto. Uma coisa que você ouve na rua já é noticia. Pegamos as noticias de agencias de noticias gringas especializadas em música, em sites gringos, em revistas, fanzines e principalmente na caralhada de e-mails que recebemos por dia. De tudo que recebemos, filtramos o que há de mais relevante e isso vai ao ar.

08- Conte-nos sobre a VANS ZONA PUNK TOUR!!!!

Essa é a maior loucura que já fizemos. É aquele lance: você já foi pro vans warped tour? Não? nem eu, então vamos fazer o nosso vans warped tour! A idéia vem martelando em minha cabeça faz tempo, mas só agora tomou forma, graças a ajuda, apoio e incentivo total do meu parceiro nessa loucura, o kevin seconds do brás, mr. Guilherme Camargo, baterista do Street Bulldogs; além dos testas de ferro Allan Paregonta e Bruno Da Cunha. Copiando o release oficial da tour, ela se consiste em: É a iniciativa DIY (do it yourself) das bandas envolvidas, produtores independentes e do site zona punk. A idéia nasceu de algumas conversas onde percebeu-se a carência de festivais itinerantes no Brasil. Com este intuito, nasceu a 1º Zona Punk Tour que traz bandas conhecidas, novas e até uma atração estrangeira para percorrer o Brasil e levar não só a música, mas também a cultura independente ao público. Trocando em míudos, podemos dizer que é o nascimento da versão brasileira do famoso evento americano Warped Tour.Será uma média de 14 shows em 14 cidades diferentes. Cada cidade por onde a ZP Tour passar, haverá a possibilidade de até 3 bandas locais estarem participando do evento. Assim, toda a infra-estrututa de um show de qualidade poderá ser compartilhada com bandas iniciantes e que sentem a carência de espaços para poder mostrar o seu som. Além dos shows de diversas bandas consagradas e iniciantes do brasil, haverá a comercialização de produtos independentes, tais como Cds, camisteas, bottons, adesivos, etc… de todas as bandas participantes a preços promocionais. A ZP Tour levará um grande acervo de materiais para distribuição gratuita e sorteios nos intervalos dos shows. Está sendo planejado também uma série de atrações extras, tais como pista de skate, tatuadores, body piercing, exposição de videos independentes e outras manifestações culturais, as quais os produtores também podem agregar no evento. Enfim, basicamente é isso. Estamos tendo uma resposta MUITO positiva da galera, inclusive apoio, caso daqui da Ideal. Tem tudo pra ser o primeiro de muitos, e a tendência é crescer. Quem sabe ano que vem não temos um Alkaline Trio ou um NoFx por ai? É torcer pro rock dar certo. Antes que os olho-gordos venham encher o saco, já afirmo, não vamos ficar ricos com isso, estamos fazendo isso vizando a realização de um evento monstruoso. O Vans Zona Punk Tour é um monstro, e ele está fora de controle. E eu, dr. wlad Frankenstein me orgulho disso. Compareça e apóie quem é pioneiro, e rápido, antes que venham copiar, igual já copiaram por ai todas as idéias nascidas no Zona Punk (mp3 da semana, video da semana, coletanea virtual etc etc etc).

09- Agora fica a vontade… mande um salve…rs*

Agradeço pela oportunidade sempre, é bom ter esse contato com a molecada. Estamos nessa pelo rock, pelas drogas e pelas mulheres. Eu quero é rock n’ roll all nite e party everyday!