O Autêntico Filme B.


Atualmente, o termo Filme B está relacionado com aqueles filmes com baixo orçamento em suas produções, porém o que poucos sabem é que o autêntico cinema B começou lá na década de 30 e naquela época tinha um significado um pouco diferente.

Os filmes B eram produzidos de maneira secundária. Os grandes estúdios da época costumavam a se dividir em duas operações. A unidade A era para filmes onde estrelavam os melhores astros da época, e na unidade B não costumavam a se fazer filmes com grandes atores, porém nem sempre o filme recebia pouca verba para sua produção.

Por causa da Crise de 29 os cinemas foram perdendo seus espectadores e encontraram como saída as Duplas Produções. Sendo assim, eram produzidos dois filmes para uma mesma sessão, ou seja, você pagava um único ingresso para ver DOIS FILMES! É claro que a galera pirou com a novidade.

E foi aí que entrou o filme B, como um plano B, literalmente.

As sessões começavam com filmes da unidade A e depois entravam os filmes da unidade B, que geralmente eram sobre ficção científica, faroeste e terror.

Tudo estava indo muito bem para o cinema B até uma lei aparecer acabando com a festa. Tal lei obrigava os estúdios a se desvincularem das salas de exibição, com isso, os estúdios não poderiam mais inserir seus filmes sempre que tivessem vontade, fazendo com que o cinema B perdesse sua força.

Veja alguns posteres de filmes B daquela época:

Os filmes B existem até hoje, porém, como dito, com uma conotação diferente: São filmes com baixo orçamento.

E pra quem acha que filme bom tem que ser caro, com efeitos especiais e super produções, está muito enganado.

A Noite dos Mortos Vivos, por exemplo, foi uma produção de apenas 114 mil dólares, faturando 30 milhões internacionalmente.

Outro exemplo é o clássico A Bruxa de Blair, com um orçamento de 35 mil dólares e faturamento de 248 milhões.

Um filme mais recente que também foi produzido com baixo orçamento é Atividade Paranormal, feito com apenas 15 mil dólares e com um faturamento de 108 milhões.

Esses filmes de fato provam que você não precisa ter milhões em dinheiro pra produzir um bom filme. Basta ter bastante criatividade e uma boa história para contar.

E por falar em filme B, claro que consequentemente acabamos nos lembrando também dos filmes trash. Um dos maiores clássicos do cinema trash é o filme Evil Dead. Um bom exemplo de como gastar pouco e fazer um bom filme. Assista ao filme e aproveite para garantir a edição especial do livro Evil Dead – A Morte do Demônio [Arquivos Mortos]!

Se você quer mais, não pode perder essa…

Clique nas imagens e se prepare para o terror.